terça-feira, 3 de abril de 2018

Quarto Motivo da Rosa
Cecília Meireles


Não te aflijas com a pétala que voa:
também é ser, deixar de ser assim.
Rosas verá, só de cinzas franzida,
mortas, intactas pelo teu jardim.
Eu deixo aroma até nos meus espinhos
ao longe, o vento vai falando de mim.
E por perder-me é que vão me lembrando,
por desfolhar-me é que não tenho fim.


John William Waterhouse

11 comentários:

  1. Como é bom sermos "rosas esvoaçantes"...
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Muito lindo e gostei de ler! bjs, chica

    ResponderExcluir
  3. Sublime! Para ler e reler... Adorei cada palavra!
    Belíssima partilha, Érika!
    Beijinhos! Continuação de uma boa semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  4. Um belíssimo poemeto."eu deixo aroma até nos espinhos". lindo isto!

    Bom final de domingo irmã nordestina!

    Bjss!

    ResponderExcluir
  5. Érika
    Sempre trabalhando uma actividade que nos faz respirar o BEM e nos ajuda a procurar repensar o errado.
    Beijinhos
    Alberto

    ResponderExcluir

Agradeço seu comentário!