quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

É Natal...

Nasceu o Salvador!

Vamos celebrar a vida, a alegria, a paz, o amor!


Que tenhamos um Natal repleto das bênçãos do Menino Jesus.

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Feliz Natal!



         Que a estrela principal do Natal, Jesus Cristo, seja uma luz a brilhar sempre na vida de todos. 
           Desejamos um Natal maravilhoso, cheio de amor, paz, saúde e felicidade.

Um grande abraço das meninas!!

domingo, 14 de dezembro de 2014

Conheça os índios Paumari no Amazonas

O povo das águas

O fotógrafo da National Geographic Brasil Adriano Gambarini  documentou a cultura e a tradição dos índios Paumari, conhecido como 'Povo das Águas', que habitam, entre outras, as terras à margem do rio Tapauá, afluente do rio Purus, no sul do Estado do Amazonas.
Índio Paumari caminha sobre pequena embarcação – Foto: Adriano Gambarini
A relação dos índios Paumari com ambientes e seres aquáticos transcende a simples sobrevivência. Conheça o “Povo das Águas”

Casa flutuante dos índios Paumari – Foto: Adriano Gambarini
 Os índios Paumari, conhecido como o "Povo das Águas”, habitam casas flutuantes ou canoas cobertas de palha, vivem quase que exclusivamente em rios, lagos e áreas de várzea. Sua relação com ambientes e seres aquáticos transcende a simples sobrevivência; para esta etnia indígena, a água, os peixes e quelônios fazem parte de um cosmo que direciona a vida social do povo. Uma relação anímica com as águas facilmente observada em seu gesto diário mais simples: a forma como ‘flutuam’ em suas canoas. É simplesmente fantástico observar como os Paumari caminham nas pequenas embarcações onde vão pescar o maior peixe que habita as águas amazônicas: o pirarucu.

Em busca do Pirarucu, índio Paumari ajusta rede de pesca – Foto: Adriano Gambarini

Piracuru sendo capturado - Foto: Adriano Gambarini
Imagine-se numa canoa de não mais de 3 metros de comprimento e 50 cm de largura, na altura da lamina d'agua, onde qualquer pequeno movimento pode alagar esta pequena embarcação. Agora, fique em pé, segure um arpão de 4 metros de comprimento e comece a olhar fixamente para o lago e nos próximos 20 a 30 minutos tente pescar um peixe que certamente pesará pelo menos 80 quilos depois remar calmamente como se tudo isto fosse a atividade mais simples de realizar.
Pescar um pirarucu é sinônimo de paciência e interpretação de sinais, e os Paumari dominam com sapiência esta atividade tradicional passada ao longo das gerações. Tudo gira em observar na superfície da água algum pirarucu que suba rapidamente para respirar. Após isto, dá-se início uma longa e silenciosa espera até a próxima 'boiada', quando o pescador tem que arpoar o peixe. Uma técnica secular aperfeiçoada com o uso de grandes redes, que restringem as áreas do lago e assim otimizam a pescaria, já que o manejo tem um tempo determinado para início e fim.

Retirada de um piracuru. Foto: Adriano Gambardini

Índios Paumari levam pirarucus em embarcação - Foto: Adriano Gambardini
Conhecido como “Rei das Águas”, um pirarucu pode chegar a 3 metros de comprimento e 200 quilos. Logicamente, peixes nesta dimensão estão cada vez mais raros, mas se ações como a Pesca Manejada de Pirarucu se proliferarem por todas as regiões amazônicas, é possível pensar, com otimismo, que num futuro não muito distante os grandes pirarucus voltem a reinar nos lagos escondidos da grande floresta. 

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Museu do Caju

Imagine chegar em um local onde tudo faz referência a uma fruta bem cearense: o caju. Inaugurado em 2007, no município de Caucaia , o Museu do Caju reúne peças curiosas.


O caju é apontado como o fruto do cajueiro. Mas, na verdade, trata-se de um pseudo fruto, que se constitui de duas partes: o fruto, que é a castanha; e seu pedúnculo floral, justamente o pseudo fruto, um corpo piriforme (em forma de pera), que pode ser amarelo, rosado ou vermelho. É suculento e rico em vitamina C e ferro. Beneficiado, transforma-se em suco, mel, doce, cajuína, passa, rapaduras e muito mais.


No programa Jangadeiro é Aqui, Ian Gomes leva você até o Museu do Caju. Neste passeio, ela mostra as delícias feitas da fruta e outras curiosidades. Vamos conferir?


Uma delícia de passeio rural!

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Nossa Senhora da Imaculada Conceição

Fé e tradição se mantém no Interior do Ceará

Meruoca na noite de domingo 07.12.2014.

 No dia dedicado à Nossa Senhora da Imaculada Conceição, 8 de dezembro. Ontem, milhares de católicos comemoraram com fervor os festejos dedicados à santa padroeira de 35 municípios cearenses Além das paróquias, centenas de capelas festejam a santa, que é Maria, mãe de Jesus, com o título de Imaculada Conceição. No encerramento dos festejos religiosos, houve procissão e missa.

 Municípios que têm Nossa Senhora da Imaculada Conceição como padroeira: Acaraú, Amontada, Aracoiaba, Bela Cruz, Cascavel, Deputado Irapuam Pinheiro, Farias Brito, Granjeiro, Guaramiranga, Hidrolândia, Iracema, Ipaumirim, Ipueiras, Itapiúna, Jaguaretama, Limoeiro do Norte, Madalena, Martinópole, Mauriti, Meruoca, Milhã, Moraújo, Pacajus, Pacatuba, Pacoti, Palhano, Pentecoste, Pindoretama, Porteiras, Potiretama, Quixeré, Redenção, Sobral, Tururu e Quiterianópolis.

De acordo com o monsenhor Francisco Sadoc de Araujo, da Paróquia da Ressurreição, em Sobral, Nossa Senhora da Conceição se tornou padroeira de vários municípios da região Norte porque os portugueses, na época da colonização, chegavam de navio e surgiam as cidades próximas ao litoral 
como Acaraú, Amontada, Almofala (Itarema), Bela Cruz. "Como Nossa Senhora, com esse título, é padroeira de Portugal, as primeiras capelas, no século XVII, foram em sua homenagem".

Nossa Senhora da Imaculada Conceição - Rainha de todos os santos


Mais do que memória ou festa de um dos santos de Deus, dia 08 de dezembro, solenemente comemora-se a Imaculada Conceição de Nossa Senhora, a Rainha de todos os santos.

Esta verdade, reconhecida pela Igreja de Cristo, é muito antiga. Muitos padres e doutores da Igreja oriental, ao exaltarem a grandeza de Maria, Mãe de Deus, usavam expressões como: cheia de graça, lírio da inocência, mais pura que os anjos.

A Igreja ocidental, que sempre muito amou a Santíssima Virgem, tinha uma certa dificuldade para a aceitação do mistério da Imaculada Conceição. Em 1304, o Papa Bento XI reuniu na Universidade de Paris uma assembleia dos doutores mais eminentes em Teologia, para terminar as questões de escola sobre a Imaculada Conceição da Virgem. Foi o franciscano João Duns Escoto quem solucionou a dificuldade ao mostrar que era sumamente conveniente que Deus preservasse Maria do pecado original, pois a Santíssima Virgem era destinada a ser mãe do seu Filho. Isso é possível para a Onipotência de Deus, portanto, o Senhor, de fato, a preservou, antecipando-lhe os frutos da redenção de Cristo.

Rapidamente a doutrina da Imaculada Conceição de Maria, no seio de sua mãe Sant’Ana, foi introduzido no calendário romano. A própria Virgem Maria apareceu em 1830 a Santa Catarina Labouré pedindo que se cunhasse uma medalha com a oração: “Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós”.

No dia 8 de dezembro de 1854, através da bula Ineffabilis Deus do Papa Pio IX, a Igreja oficialmente reconheceu e declarou solenemente como dogma: “Maria isenta do pecado original”.

A própria Virgem Maria, na sua aparição em Lourdes, em 1858, confirmou a definição dogmática e a fé do povo dizendo para Santa Bernadette e para todos nós: “Eu Sou a Imaculada Conceição”.

Nossa Senhora da Imaculada Conceição, rogai por nós!

Fonte: Diário Nordeste - Santo do dia / Canção Nova

domingo, 7 de dezembro de 2014

E o Plano Divino se cumpre...


No dia 2 de dezembro, Amma, Papa Francisco e outros líderes religiosos mundiais fizeram história. Reuniram-se em uma só voz para declarar que a escravidão moderna é um crime contra a humanidade. Convocaram todas as pessoas, independentemente de sexo, fé e cultura, a trabalharem juntas para erradicar o tráfico humano e outras formas de escravidão da face da Terra até 2020.

             No Dia Internacional para a Abolição da Escravidão, líderes religiosos assinaram uma declaração conjunta afirmando que a escravidão moderna, em termos de tráfico humano, trabalho forçado e prostituição, tráfico de órgãos, e qualquer relacionamento que desrespeite a convicção fundamental de que todas as pessoas são iguais e têm a mesma liberdade e dignidade, é um crime contra a humanidade — e isso deve ser reconhecido por todos e por todas as nações. No dia 2 de dezembro, foram reunidos líderes dos Cristãos Católicos, Anglicanos e Ortodoxos, assim como Budistas, Hindus, Judeus e Muçulmanos, para declarar um esforço humanitário comum: Erradicar a escravidão moderna até 2020 em todo o mundo e para sempre como um crime contra a humanidade.

Leia abaixo a emocionante  Declaração Conjunta de Líderes Religiosos contra a Escravidão Moderna: 

                   “Nós, abaixo assinados, nos reunimos hoje para uma iniciativa histórica de inspirar ações espirituais e práticas de todas as fés globais e as pessoas de boa vontade em todas as partes para erradicar a escravidão moderna no mundo até 2020 e para sempre.

                     Aos olhos de Deus, cada ser humano é uma pessoa livre, seja garota, rapaz, mulher ou homem, e está destinado a existir para o bem de todos em igualdade e fraternidade. A escravidão moderna, em termos de tráfico humano, trabalho forçado e prostituição, tráfico de órgãos, e qualquer relacionamento que desrespeite a convicção fundamental de que todas as pessoas são iguais e têm a mesma liberdade e dignidade, é um crime contra a humanidade.

                       Nós nos comprometemos, hoje aqui, a fazer tudo que estiver em nosso poder, dentro de nossas comunidades de fé e além, a trabalharmos juntos para a liberdade de todos aqueles que estão escravizados e são vítimas do tráfico, para que o futuro delas possa ser restaurado. Hoje, temos a oportunidade, a consciência, a sabedoria, a inovação e a tecnologia
para conseguir este imperativo humano e moral." 


Sobre a escravidão moderna

                          A escravidão moderna é a privação sistemática da liberdade de uma pessoa e o abuso de seu corpo, como, por exemplo, através da mutilação ou remoção de órgão, com o objetivo de exploração pessoal ou comercial.  Quase 36 milhões de pessoas estão atualmente submetidas à escravidão moderna. São pessoas que perderam sua liberdade e estão sendo exploradas para lucro pessoal ou comercial. De acordo com a Organização Mundial do Trabalho, o lucro total obtido pelo uso do trabalho forçado na economia privada mundial chega a US$ 150 bilhões por ano.

http://www.seaaccampinas.org.br/index.php/k2-tags/noticias/ultimas-noticias/item/5096-lideres-religiosos-do-mundo-assinaram-declaracao-para-erradicar-a-escravidao-moderna