sábado, 28 de janeiro de 2017

Um pouco sobre a virtude do estoicismo...

Todos nós buscamos a felicidade, não é mesmo. Considero que tudo o que fazemos, seja busca pelo par perfeito, harmonia nos relacionamentos, dedicação na carreira são, sem dúvida, nossa forma de buscar a felicidade e evitar dor e sofrimento. A felicidade  é um tema que acompanha a humanidade desde a mais remota antiguidade. Os romanos, dentro da escola estoica, buscaram uma resposta para esta questão. Este é o tema tratado pelo grande filósofo Epíteto. 

Epíteto  deixou como legado ensinamentos sobre a liberdade, as relações humanas, a natureza das coisas e as escolhas que fazemos.

Para Epíteto (ou Epitecto) , uma vida feliz e uma vida virtuosa são sinônimos. Felicidade e realização pessoal são consequências naturais de atitudes corretas.Sua filosofia era da práxis, ou seja, tinha por objetivo a prática na vida cotidiana.

Como bom estóico, tinha como princípio a moral; exigia de todos que frequentavam as suas lições que fizessem o exame de consciência, não no sentido de confissão, ou de punição, mas para rever suas atitudes e procurar melhorá-las com o intuito de atingir a autárkeia (domínio de si – auto-suficiência).

O estoicismo acredita que a felicidade vem da busca da harmonia entre Deus e a alma e viver de acordo com a natureza e a razão. Para o estoicismo, deve-se desprezar todo e qualquer tipo de prazer por mais simples que seja. O homem deve estar atento para tornar-se sábio e receber a sabedoria necessária da ordem do Cosmo. Ele deve acreditar que deve viver indiferente aos problemas da vida, pois são determinados pelo universo e deve ser aceito.




 A virtude essencial dos estóicos era a verdade. O rigor e a disciplina eram mais conseqüências do que postulados fundamentais. Na base de tudo estava a preocupação de se atingir um estado de perfeita honestidade, de sinceridade consigo mesmo e com os outros. 


Ser feliz não tem uma fórmula magica, precisa ser busca a cada dia com sabedoria.




Leia mais em : 

http://www.mundodosfilosofos.com.br/estoicismo.htm

http://pansophia-filosofia.blogspot.com.br/2013/04/epicteto-o-escravo-filosofo-50-138-dc.html

Assista: https://www.youtube.com/watch?v=YjihPpuIpiM

5 comentários:

  1. Com nossas ações baseadas na ética e na serenidade construímos o nosso "ser feliz aqui e agora".
    Excelente reflexão!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Minha avó não entendia nada de filosofia, mas uma das primeiras coisas que me ensinou foi.
    "Põe-te sempre no lugar do teu opositor, e não lhes faças nada que não queiras que te façam a ti."
    Um abraço e bom domingo

    ResponderExcluir
  3. Vale a procura da felicidade... mas não a qualquer preço... e sem contribuir para a infelicidade de ninguém...
    Como sempre, mais uma partilha notável, Érika!
    Beijinhos
    Ana

    ResponderExcluir
  4. Há tanto o que se falar sobre a felicidade, Érika. Penso que nós, por aqui, nesta vida um tanto ampla de sofrimento, estamos bem longe do sentido real da palavra. A felicidade não deve ser confundida com prazeres, há um distância imensa entre os ambos. E a humanidade de hoje, tão antenada, confunde e muito. O assunto é profundo e vai longe, se levarmos adiante uma conversa, mas é muito interessante.

    ResponderExcluir
  5. Olá, Érika, também acredito que viver com honestidade, nos proporcione a real felicidade!
    Felizes dias, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir

Agradeço pelo seu comentário!