quinta-feira, 21 de junho de 2012

Como surgiram os museus?

Uma casa para colecionadores de tesouros

No século 17, alguns colecionadores tinham seus gabinetes de curiosidades. Considerados bisavós dos nossos museus modernos, esses espaços continham tudo aquilo que o colecionador coletava ao longo da vida, exibindo um pouco da enorme diversidade do mundo. Podia ter de tudo: fósseis, insetos, livros antigos, animais empalhados, quadros e muito mais. Hoje, a gente gosta de mostrar nossas coleções para todo mundo, mas antigamente os tais gabinetes eram abertos só para amigos dos colecionadores, cientistas e pesquisadores. Então, imagina: aquela incrível coleção de borboletas ficava lá, guardadinha, sem nenhuma visita de turmas de escola para alegrar o dia. Até que algumas pessoas perceberam que as coleções mereciam um lugar especial, e assim elas ganharam espaço nos primeiros museus do mundo - como o Museu Britânico e o Museu de História Natural, em Londres.
Um dos maiores colecionadores dessa época foi Sir Hans Sloane. Esse médico irlandês cuidava de governantes de colônias inglesas no Caribe e para isso viajava muito. Essa foi sua grande sorte; aproveitava as viagens para realizar sua maior paixão, que era coletar o que julgava curioso pelo mundo.
Como Sloane era muito rico, começou a comprar objetos raros e valiosos para aumentar sua coleção em Londres. Sua fama de colecionador atraiu marujos, que batiam em sua porta para vender coisas exóticas que traziam de viagens. Pessoas doentes também o procuravam e ofereciam animais, ossos, plantas e até barcos para pagar por seus serviços médicos. Uma espiadinha nos armários de sua casa revelaria animais, frutos, minerais, moedas, antiguidades...  A coleção ficou tão grande que ele teve que se mudar para uma casa maior nos arredores de Londres e contratou ajudantes para escrever a história de cada um de seus objetos!
Logo começou a receber visitantes da Europa toda. Quando Sloane morreu, em 1753, sua coleção foi doada à Sociedade Real de Londres, que juntou seu tesouro a outras coleções e inaugurou o Museu Britânico para abrigá-las.

Museu Britânico: boa parte da coleção de Sloane veio compor o seu acervo, mas as borboletas...
Os primeiros museus, portanto, eram filhos crescidos daqueles gabinetes de curiosidades. Mas eram abertos apenas para "homens de saber", ou seja, apenas cientistas podiam visitar as coleções. A regra valeu para outros museus abertos na época, como o de Belvedere, em Viena, de 1783, e o Museu de História Natural de Paris, aberto em 1793.

Museu de História Natural de Londres: é aqui que está a coleção de borboletas de Sloane.
Foi só com a Revolução Francesa, no fim do século 18, que os museus se tornaram espaços abertos ao público. O primeiro com esse propósito foi o Louvre, aberto em Paris em 1793.
Musee du Louvre/Pyramide Napoleon ...
Louvre: o primeiro museu com o propósito de ser aberto ao público.
Os primeiros museus científicos foram os de história natural, que reuniam animais e minerais e permitiam fazer viagens no tempo e no espaço para conhecer bichos extintos, ou ecossistemas exóticos.
No século 19, com o desenvolvimento da indústria e da tecnologia, surgiram os primeiros museus voltados para a tecnologia industrial. Seu objetivo era mostrar para o público todas as maravilhas cientificas e tecnológicas que estacam sendo descobertas. Às vezes, era permitido puxar alguns botões e alavancas, mas geralmente não se podia encostar nas novas invenções. Depois de muitos anos, surgiram os museus interativos, onde os visitantes finalmente podiam participar, tocar, fuçar, descobrir. No americano Exploratorium, aberto em 1969 em São Francisco, por exemplo, o lema era "mãos à ciência", brincando com a famosa frase "mãos à obra".
O objetivo não era mais mostrar a ciência através de uma vitrine e sim, tirar a vitrine para que visitantes colocassem as mãos na massa.
Depois de terem surgido na Europa e nos Estados Unidos, não demorou até que os primeiros museus de história natural chegassem ao Brasil. Ainda no século 19, foram abertos o Museu Nacional (1808), o Museu Paraense Emílio Goeldi (1866) e o Museu Paulista (1894).
O primeiro foi criado no ano em que a família real de Portugal chegou ao Rio de Janeiro, para estimular  o estudo das plantas (Botânica) e a dos animais (Zoologia) - mas, na verdade, tinha um pouco de tudo, incluindo arte, antiguidades minerais e peças indígenas.

Museu Paulista: um dos primeiros museu brasileiros de história natural.
Ao longo do século 20, outros museus de ciências se espalharam pelo Brasil. Hoje, muitos adotaram a filosofia do "mãos à ciência".

MAST, no Rio de Janeiro: adepto do "mãos à ciência".

Além disso , outros ensinamentos fascinantes de ciência chegam a nós em exposições temporárias e itinerantes, que viajam o país para alcançar mais crianças, jovens e adultos. Conhecer um fóssil de dinossauro, fazer experimentos com microscópios entender alguns dos princípios da física e observar astros são apenas algumas das aventuras possíveis nos diversos museus de ciências do país.
Fonte: Revista Ciência Hoje

10 comentários:

  1. My spouse and I stumbleԁ οѵer hеrе bу a different webѕіte
    and thought I shοuld check thingѕ out.
    I lіkе what I sеe so i
    am just following you. Loоk forward to looking over your web page again.
    Here is my webpage ; Buy Silk'N Sensepil

    ResponderExcluir
  2. Muito Bom
    Chico Museu em Esperantina-PI

    ResponderExcluir
  3. Érica e Bárbara, como vocês relacionariam o Positivismo à criação de museus no século XIX? Vocês teriam algum material sobre o papel dos marchands?

    ResponderExcluir
  4. me ajudou no trabalho de arte da escola
    vcs fazem materias de blogs mt bons

    ResponderExcluir
  5. vcs tem um blog 10 q ajuda mts pesssoas

    ResponderExcluir

Agradeço pelo seu comentário!