sábado, 9 de julho de 2011

Vinhetas

    1. Em geral, há irreprimível alergia ao fofoqueiro (mexeriqueiro) e ao invejoso.
    O termo fofoqueiro, brasileirismo popular, foi cunhado no século XX. Mas o fuxico, e portanto o fuxiqueiro, sempre existiu em todos os tempos. Talvez haja ligação entre fofoca e fofo, esta palavra significa macio, brando. E é assim o comportamento do fofoqueiro. Diz como não quer dizer, fala como quem não deseja transmitir intriga, apresenta-se como noticiador sem maldade, visando "apenas" a prevenir a pessoa recebedora da fofoca. Se surpreendido, veste-se com pele de cordeiro, inventa histórias para justificar a atitude. De qualquer modo deixa a maledicência derramar efeito prejudicial. 
    O invejoso é outro tipo aborrecível. Nunca elogia as pessoas, jamais lhes transmite notícias enaltecedoras feitas por terceiros. Mas sempre está prontinho para criticar, censurar, fazer restrições. Logo lê algum escrito ou então escuta conversa capazes de diminuir o conceito do atacado, procura dar-lhe ciência. Quer ver o circo pegar fogo. Busca o telefone para fornecer a má notícia. Ao mesmo tempo lamenta  fato, mas de maneira falsa, porque no mais íntimo lhe inunda a alma toda.
    A palavra inveja está ligada ao latim invidere (não quer ver). E na verdade o invejoso não deseja assistir ao bom êxito dos outros. Sempre torce pelo fracasso do próximo.
    A repulsa ao fofoqueiro e ao invejoso dá forte desejo de estar longe deles. 

    2. Requisitos para ser feliz: ter Deus no coração; paz de espírito; saúde física e mental; o necessário e mais um pouco para as necessidades básicas; e amigos sem interesse subalterno.

Publicado em 30 de novembro de 1985
Jornal O POVO                                       Itamar Espíndola  
  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço pelo seu comentário!