terça-feira, 28 de junho de 2011

Livro revive histórias das ferrovias




Livro conta histórias das ferrovias no Ceará. Resultado da luta pela reativação do Museu do Trem, pesquisa de ex-ferroviário e historiador trata do surgimento e da decadência das locomotivas no País.


Estação de Sobral é ponto importante na história das ferrovias (BANCO DE DADOS
)
Estação de Sobral

Não é preciso ter sido “menino criado em beira de linha”, como escreveu Rachel de Queiroz, para o barulho de trem provocar as mais diversas paixões. Antigas estações, maquinistas, marias-fumaça, chegadas e partidas povoam a literatura, a música e a memória de muita gente.

Para contar muitas dessas histórias, os pesquisadores José Hamilton Pereira e Túlio Muniz lançam nesta quinta-feira (30) o livro Os Descaminhos de Ferro do Brasil, verdadeiro passeio pela trajetória e problemas da ferrovia no país, com destaque para a história da estrada de ferro no Ceará.


A pesquisa surgiu no ano passado, do encontro do jornalista e historiador Túlio com o engenheiro aposentado e memorialista de ferrovias José Hamilton, autor de Estradas de Ferro do Ceará, em parceria com Francisco Assis Lima.


O livro lançado nesta semana é resultado da luta de Túlio e Hamilton pela reativação do Centro de Preservação da História Ferroviária do Ceará, em funcionamento na avenida Francisco Sá de 1982 a 2000. O museu foi desativado com a privatização da Rede Ferroviária Federal S.A. (RFFSA) e permanece fechado por indefinições jurídicas.


TRILHOS PERDIDOS
Túlio Muniz explica que Os Descaminhos de Ferro do Brasil trata do surgimento e decadência das ferrovias no País. “O Brasil perdeu 10 mil km de linha de ferro. Tínhamos quase 40 mil há 30 anos”, contabiliza. Ele cita que, roteiros turísticos à parte, só restaram duas linhas de maior porte: Vitória (ES)-Belo Horizonte (MG) e São Luís (MA)-Carajás (PA).
José Hamilton, ex-diretor do Museu do Trem, comenta da importância dos trilhos para o desenvolvimento. “As duas ferrovias (de Sobral e Baturité) foram de grande valia para o Estado. Foi assim com Ipu, Sobral, Quixeramobim, Quixadá”, enumera.


O rico acervo fotográfico e as referências musicais e literárias fazem da obra um oportuno convite à leitura de histórias trilhadas por locomotivas. E em tempos de Veículo Leve sobre Trilho (VLT), fica a lembrança nostálgica de Rachel de Queiroz: “Trem mesmo é com maquinista, foguista, condutor e os guarda-freios correndo por cima dos carros, torcendo aquelas rodas de frear, enquanto os postes do telégrafo desfilam e o apito de repente grita meio histérico, porque há rês na linha”.

Por quê

ENTENDA A NOTÍCIA
O livro Os Descaminhos de Ferro do Brasil é o resultado provisório da luta de José Hamilton e Túlio Muniz pela reativação do Museu do Trem, na Estação Ferroviária João Felipe. Indefinição jurídica compromete o projeto

SERVIÇO

Lançamento do livro
Os Descaminhos de Ferro do Brasil
Dia e Horário: 30 de junho (quinta-feira), a partir das 17h
Onde: Museu do Ceará (Rua São Paulo, 51 – Centro)
Preço de lançamento: R$20 
Thiago Mendes
thiagomendes@opovo.com.br
Fonte: Jornal O POVO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço pelo seu comentário!