domingo, 30 de abril de 2017

INVICTO - WILLIAM ERNEST HENLEY

Da noite escura que me cobre,
Como uma cova de lado a lado,
Agradeço a todos os deuses
A minha alma invencível.

Nas garras ardis das circunstâncias,
Não titubeei e sequer chorei.
Sob os golpes do infortúnio
Minha cabeça sangra, ainda erguida.

Além deste vale de ira e lágrimas,
Assoma-se o horror das sombras,
E apesar dos anos ameaçadores,
Encontram-me sempre destemido.

Não importa quão estreita a passagem,
Quantas punições ainda sofrerei,
Sou o senhor do meu destino,
E o condutor da minha alma.



2017- Parque do Cocó.



2 comentários:

  1. Desconhecia o poema e o autor! Intenso!
    "Não importa quão estreita a passagem,
    Quantas punições ainda sofrerei,
    Sou o senhor do meu destino,
    E o condutor da minha alma."
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Olá amiga! Retornando as minhas atividades nos blogs, fiquei afastada por um tempo, problemas de saúde que estão passando graças a Deus. Aproveito para desculpar-me pela ausência e assim que puder retornarei aqui com muito prazer pois amo suas postagens e a pessoa que você transmite ser. Como são muitas visitas, hoje estou com esse comentário para todos, mas saiba que se estou aqui o meu coração também está repleto de alegria. Abraços, que jesus nos abençoe sempre.
    Profª Lourdes Duarte
    http://filosofandonavidaproflourdes.blogspot.com.br/
    http://professoralourdesduarte.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Agradeço pelo seu comentário!