sexta-feira, 17 de março de 2017

Monólogo a dois?

Por Arly Cravo, coach relacional.

Exagerando um pouco, dá pra dizer que ninguém está a fim de ouvir ninguém. 
As pessoas querem e precisam urgentemente serem ouvidas. 
Por isso mesmo algumas, muito egocêntricas, que falam indefinidamente em disparada, só encontram ouvidos pagos.

Por outro lado, tem muita gente com a autoestima no lixo que “vende” o seu ouvido em troca da atenção, do aplauso e do elogio: “Parabéns, você é um bom ouvinte!” é o que mais querem ouvir.


Não raro ESSES “bons ouvintes” criam um verdadeiro ranário no estômago tal a quantidade de sapos engolidos em troca de um mísero reconhecimento. Não compensa!

Quando junta o falante compulsivo e o ouvinte carente, pronto, forma-se um dos pares complementares mais surreais para quem observa de fora. 
É um tal de:

-bla bla bla bla bla bla bla bla bla 
-SEI
-bla bla bla bla bla bla bla bla bla 
-ENTENDI
-bla bla bla bla bla bla bla bla bla 
-NOSSA
-bla bla bla bla bla bla bla bla bla 
-QUE COISA HEIN?
-bla bla bla bla bla bla bla bla bla 
-OLHA SÓ
-bla bla bla bla bla bla bla bla bla 
- NÃO DIGA
-bla bla bla bla bla bla bla bla bla 
-IMPRESSIONANTE!!!




2 comentários:

  1. Olá,
    isto é tão verdade, cada vez mais há diálogos que são monólogos, todos querem dizer alguma coisa e muito poucos disponíveis para ouvir .
    bjs

    ResponderExcluir
  2. Infelizmente é isso mesmo!!
    Precisamos aprender a alugar ouvidos certos e deixar que nos aluguem também!
    Abraço.

    ResponderExcluir

Agradeço pelo seu comentário!