quinta-feira, 14 de abril de 2016

Bairro de Fátima

Sem dúvida, Fátima é um dos bairros mais queridos de Fortaleza. Há algo nele que desperta a simpatia dos fortalezenses. Com ótima localização e sem (ainda!) o excesso de agitação de outros bairros nobres - como a Aldeota -, o Bairro de Fátima assume um perfil mais discreto. Familiar. E um tanto enigmático, com muitas ruas descontínuas, que se interrompem e entrecortam o tempo todo.

Há alguns anos, o bairro passa por uma “transformação de personalidade”. De um local majoritariamente formado por residências, aos poucos, Fátima cresce para o alto. Por onde se olha, há novos edifícios em construção. A valorização é tão grande que o Bairro de Fátima já é um dos metros quadrados mais caros da Cidade.


A aposentada Marlene de Medeiros, 73, mora na travessa Escolar há 35 anos. Numa residência! “(Quando cheguei) eram poucos os edifícios. Existia um prédio em frente à Igreja de Fátima que tinha só três andares”, conta.

Ela encara a expansão imobiliária como algo natural. “É como se fosse o progresso. Hoje em dia, o povo está querendo muito morar em apartamento. É mais seguro, né?”, comenta. Dona Marlene afirma ser comum o assédio das construtoras pelas casas da região. Inclusive, as da travessa onde mora. Ela titubeia ao ser questionada se venderia a casa. “Se os vizinhos venderem também...”, dando a entender que seguiria uma decisão coletiva de retirada.

Só que, no fundo, a aposentada quer mesmo é permanecer no bairro. “Eu peço a Nossa Senhora de Fátima todo dia que arranje um jeito de eu ficar. Aqui é tão bom. Você tem tudo que precisar”, diz ela, acrescentando: “Só precisa ter dinheiro”, já que o custo de vida no bairro está cada vez mais alto.

Igreja de Fátima



Talvez nenhum outro bairro em Fortaleza tenha uma ligação tão forte com uma igreja como o Bairro de Fátima. A igreja homônima é a principal referência do bairro. A ideia de construção do santuário começou em 1952, quando a imagem de Nossa Senhora de Fátima (localizada em Portugal) chegou a Fortaleza, durante uma peregrinação feita com a imagem pelo mundo.

Antes, a área era formado por sítios pertencentes a coronéis, “como Pergentino Ferreira e José Euclides”, conta Rodrigo da Silva, 63. Ele chegou ao bairro em 1958, quando o pai arrendou um desses sítios para criar gado e plantar frutas e verduras. 

O terreno onde hoje fica a igreja, inclusive, foi doado pelo coronel Pergentino Ferreira. No fim de 1952, foi dado início às obras do santuário. “Quando foi lançada a ‘pedra fundamental’ eu vim com a minha avó. Ela era devota de tudo que era santo”, relembra dona Marlene. O templo foi concluído em 1955. “É a mesma estrutura até hoje. O nome do bairro veio depois da (construção da) igreja”, informa padre Ivan de Souza, pároco da Igreja de Fátima.

Seu Rodrigo conta que a construção da avenida Aguanambi - segundo ele, no fim da década de 60 - representou uma grande mudança para o bairro. A fazenda do pai dele, por exemplo, não pôde mais funcionar, já que a avenida ocupou boa parte do terreno. “Depois que fez a Aguanambi, aí voou (expandiu)”, diz ele, referindo-se ao crescimento na construção de casas no bairro.

“Não troco Fátima por bairro nenhum. É um dos melhores bairros para se viver, onde todo mundo se conhece, mas cada qual no seu cada qual. Ninguém se mete na vida particular de ninguém”, garante seu Rodrigo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço pelo seu comentário!