quinta-feira, 28 de maio de 2015

Bárbara de Alencar



Nessa postagem de hoje, iremos apresentar outra grande cearense notável. Bárbara ( um nome com bastante personalidade, sendo xará de uma das administradoras da página, rsrs) Pereira de Alencar. Nasceu em Exu, Pernambuco, no ano de 1760, Filha de latifundiários, casou-se aos 22 anos de idade com o português José Gonçalves dos Santos, bem mais velho que ela, no que parece ter sido um casamento de conveniência, coisa comum na época.

Em seguida veio instalar-se no Cariri cearense, mais precisamente no Crato, onde teria tido seis filhos, entre os quais, Tristão Gonçalves e José Martiniano de Alencar ( pai do romancista José de Alencar), vivendo da criação de gado e das engenhocas produtoras de mel, açúcar, cachaça e rapadura. Em 1809, após a morte do marido, assumiu definitivamente os negócios da família, o que era uma coisa notável para uma mulher num mundo sertanejo marcado por extremo patriarcalismo.

Acusada de ser amante do vigário cratense Miguel Saldanha, envolveu-se diretamente na "Revolução"  de 1817 e, com o fracasso desta, acabou presa, sofrendo bastante nos cárceres coloniais. Em 1824, já idosa e doente, viu e consentiu o envolvimento dos filhos na Confederação do Equador. Mais sofrimento: perdeu os filhos Tristão Gonçalves e Carlos José, além de vários conhecidos, com a derrota da revolta. Morreria em 1832, no Piauí, onde se refugiara devido a eclosão da Sedição de Pinto Madeira em terras caririenses. Seu corpo foi enterrado na povoação de Itaguá, no atual
município de Campos Sales. 

A história de Bárbara deAlencar é tão importante para os cearenses que existe um monumento que a homenageia Bárbara de Alencar, na praça de mesmo nome sitiada na Av. Heráclito Graça, 1246,  esquina com a Rua Barão de Aracati. Veja abaixo as fotos do local.




Fonte: FARIAS, de Airton. História do Ceará,  Da Pré- História ao Governo Cid Gomes, 2009, Fortaleza-Ceará.

3 comentários:

  1. Interessante saber que esta grande cearense é conterrânea
    de Luiz Gonzaga e avó do Zezinho (José de Alencar).
    Os valores nordestinos se mesclam e se intercruzam, elevando
    sempre o moral da região. Por falar nisso, acho que faltam
    praça e estátua de Dom Hélder Câmara em Recife.
    Ou será que existem e não as vi?
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Não existem, mas se você puder nos enviar tesco, adoraríamos postar sobre esses marcos. Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Não existem, mas se você puder nos enviar tesco, adoraríamos postar sobre esses marcos. Abraços.

    ResponderExcluir

Agradeço pelo seu comentário!