segunda-feira, 8 de julho de 2013

Tapioca

O nosso crepe!
E também nosso sorvete, bolo, pudim... 
Chegue mais e experimente esta delícia, que tem desfilado por aí em diferentes roupagens e ganhou o direito de até substituir o pãozinho do café da manhã.




Feita com mandioca, um ingrediente 100% nacional, a tapioca está conquistando um espaço que parecia inabalável: entra para o café da  manhã no lugar do pão francês.

A troca faz todo o sentido. Equivalente ao pãozinho em calorias (enquanto um pão francês de 50g tem 135 calorias, uma tapioca de 40g tem cerca de 114), a iguaria de origem indígena também é rica em carboidratos.

Nossa tapioca, fácil de preparar e dobrada em forma de leque, é tão criativa quanto a receita dos crepes franceses em matéria de recheios. Tudo começou com a chegada do colonizador português, que introduziu a manteiga. Aí veio o coco, a geleia e a criatividade fez a lista de receitas não parar mais.


Dependendo da região do país, foram adicionados sabores locais, como charque, carne-de-sol, carne de bode e camarão, além de doces: goiabada, doce de leite. Os cardápios se transformaram em verdadeiros festivais de sabores. Em Brasília, oferece uma massa com gergelim torrado, além de com posições sofisticadas, como a tapioca de salmão ao molho de alcaparras. Na Paraíba existe a bodeoca, uma tapioca recheada com carne de bode. Em Maceió, é possível combinar coco, queijo e pelo menos um de quatro outros complementos: picanha, atum, bacon ou bacalhau.


A paixão pela tapioca vai muito longe. Aparece no cardápio também em versões como a de sorvete, pudim, bolo e até mil-folhas. Os restaurantes especializados em comida brasileira costumam reservar boas surpresas. Em São Paulo, aparece, sorvete de tapioca e coco fresco. Já  no Rio de Janeiro, um minipudim de tapioca com sorvete de milho verde e canela. Em comum, todas as receitas têm a presença do polvilho ou fécula de mandioca.




O polvilho era muito usado no Brasil antes da popularidade do trigo. No vale do Paraíba, ainda hoje existem muitos bolos e biscoitos feitos com esse ingrediente. "A comida do Norte e Nordeste era vista com preconceito pela classe média do Sul e Sudeste", afirma Ricardo Maranhão, doutor em história e professor de gastronomia das Faculdades Anhembi Morumbi. Mas, com o aumento do turismo, essas delícias foram apresentadas à grande parte dos brasileiros. Com total aprovação, diga-se de passagem. E assim é possível encontrar tapioca pelos quatro cantos do país.

Após ralada e espremida, a mandioca libera uma massa seca e um líquido. A primeira, torrada em forno, dá origem à farinha de mandioca. O caldo, por sua vez, passa por um processo de decantação, e féculas da raiz se depositam no fundo do recipiente. Esse material úmido é chamado de goma, ou tapioca molhada, e depois de seco vira o polvilho, um pó finíssimo e branco. Ele pode ser doce ou azedo.

 
O polvilho doce resulta da goma fresca levada a secar antes que fermente e, por isso, é inodoro e insípido. Já o polvilho azedo resulta da goma fresca levada a secar depois de fermentada, por isso tem sabor azedo.

Mas, na ausência da goma, somente encontrada nas regiões Norte e Nordeste, basta umedecer o polvilho para obter a matéria-prima básica da tapioca.

TAPIOCA, ou typi-og, em tupi, significa “tirado do fundo”. De fato, esse subproduto da mandioca até hoje é extraído por decantação. O entendimento desse ingrediente é complicado por causa dos regionalismos.  A tapioca serve para designar tanto a fécula, o amido e o polvilho, também conhecidos como farinha de tapioca, como a goma, que nada mais é que o polvilho ainda umedecido. O nome também foi usado para batizar o produto pronto, semelhante ao crepe, conhecido pelo Brasil afora como beiju.

CURIOSIDADE

A tapioca encantou os portugueses. Tomé de Sousa, Duarte da Costa e Mem de Sá, os três primeiros governadores-gerais do Brasil, foram célebres presas, como revela o historiador Luís da Câmara Cascudo na obra História da Alimentação no Brasil. Para não ofender a nação lusa, as autoridades tinham um álibi para justificar a adesão ao produto da terra subordinada: “Por não se acharem bem com ele (o pão de trigo)”, ou, em outras palavras, por não digerirem o pão tradicional com a mesma facilidade da tapioca”.

Fonte: Revista Bons Fluidos

6 comentários:

  1. Olá,
    Vim retribui o carinho e conhecer seu blog. Amei as postagens interessantes.
    E eu amooo tapioca rsrsrs,principalmente as doces.

    Beijos e bom feriado!!!
    www.kekamake.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você veio e gostou!
      Um grande abraço, Keka.
      Volte sempre!

      Excluir
  2. Ah, que saudade de Tapioca. Delícia!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Sandra. Tapioca e realmente uma delícia, pena que na Suíça não exista este prato, não é mesmo?
      Abraços!

      Excluir
  3. Comi tapioca uma vez só, achei muito bom por sinal.
    Boa semana, beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois tem que comer mais vezes, rsrsrs!
      Uma ótima semana, abraços.

      Excluir

Agradeço pelo seu comentário!