segunda-feira, 4 de março de 2013

O Vinho do Místico


Então, ao próprio Céu que gira eu perguntei:
_A esses seus filhinhos, tropeçando ao Léu,
Que Lâmpada o Destino tem para guiar?
_ Um cego entendimento, respondeu o Céu.
GLOSSÁRIO
Céu que gira: o desabrochar da consciência celestial bem-aventurada, sentida na meditação profunda. Eu perguntei: interroguei a Onsciência, o Espírito que tudo permeia. Esses seus filhinhos, tropeçando ao léu: os seres humanos que erram por falta de sabedoria e, consequentemente, caem vítimas dos maus hábitos por eles mesmos criados e dos efeitos cármicos das ações erróneas. Que lâmpada: que espécie de inteligência. O destino: a lei de causa e efeito, ou carma, que opera com precisão justa e matemática. “Tudo o que o homem semear, isso mesmo terá de colher.”[1] Um cego entendimento: a imperfeita compreensão da inteligência mortal, sábia do ponto de vista mundano, mas espiritualmente cega.
INTERPRETAÇÃO ESPIRITUAL

    “À medida que minha alma se aprofundava na celestial esfera vibratória do êxtase, reveladora da verdade, comparei meu jubiloso estado de emancipação com o dos demais filhos humanos de Deus, que estão tropeçando na ignorância e no sofrimento, conduzidos por seu destino pessoal de maus hábitos e do carma (o efeito de suas ações), que eles próprios criaram e perguntei ao Espírito, esse estado celestial que tudo permeia: ‘O que os conduziu ao erro e à destruição?’
     “A vós interna respondeu: ‘Uma inteligência aguda, do ponto de vista material, e sábia nas coisas do mundo, que, espiritualmente cega, está desprovida da intuição que tudo percebe e é plenamente sábia’.”
APLICAÇÃO PRÁTICA
      É difícil, mesmo para os grandes sábios, conhecer sempre a verdade. Quão mais difícil é, então, para os seres humanos que têm inteligência limitada seguir, na vida, as veredas corretas. Frequentemente, as decisões deles são reações impulsivas a atrações sensórias, ou reações irrefletidas a hábitos e outras circunstâncias cármicas que eles próprios criaram na vida. A única lâmpada que ilumina o caminho dessas pessoas é seu entendimento instintivo, inato, mas imperfeito, que é, em parte, inteligente e, em parte, cego. Limitado como é, esse entendimento instintivo pode levar, equivocadamente, os filhos de Deus a tropeçarem e caírem nos fossos da ilusão. Esses que tropeçam constantemente nos mostram o quanto podemos ser mal orientados por esse entendimento instintivo cego.
          Todos os filhos de Deus estão dotados da inteligência suprema: a intuição, a sabedoria onisciente da alma. Porém, enquanto a intuição da pessoa não é desenvolvida, ela é principalmente guiada pelo entendimento limitado da inteligência mortal, apenas ocasionalmente tem lampejos da sabedoria intuitiva. Desse modo, a pessoa se envolve em algumas boas ações, mas, também, em muitas ações erradas, e adquire numerosos maus hábitos. Por meio da operação da lei de causa e efeito, ou carma, a pessoa se descobre seguidora impotente do destino que ela própria criou, e que, frequentemente, conduz ao sofrimento. Contudo, a partir das conseqüências de suas ações errôneas e dos efeitos recompensadores de suas boas ações, a compreensão cresce. A intuição inata desperta gradualmente e começa a orientar a pessoa com sabedoria. Ela é conduzida do sofrimento à felicidade, da superstição religiosa à real percepção da verdade, e das trevas da ignorância ao jubiloso e emancipado estado de êxtase divino.

Do livro O Vinho do Místico – Título Original: Wine of the Mystic – Self-Realization Fellowship – 1998 – 1a. Edição




[1] Gálatas 6:7

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço pelo seu comentário!