quinta-feira, 10 de maio de 2012

Ferrovia Madeira Mamoré

As ferrovias foram instaladas no Brasil a partir da segunda metade do século XIX. Uma dessas ferrovias foi a Madeira Mamoré, em Rondônia, cuja impressionante e trágica história serviu de pano de fundo para a minissérie televisiva Mad Maria, transmitida em 2005.
Chamada de "ferrovia do diabo", vale a pena conhecer um pouco de sua história.

Mad Maria
Apesar de a minissérie ser uma obra ficcional, ela retrata a saga de milhares de pessoas que, em plena floresta Amazônica, trabalharam na construção da ferrovia Madeira Mamoré entre 1907 e 1912. Mais de 20 mil homens de várias origens, como chineses, hindus, ingleses, armênios, dinamarqueses, poloneses e gregos, e de várias regiões do Brasil enfrentaram adversidades naturais e culturais para construir seus 366 quilômetros. Muitos abandonaram a viagem no caminho, ao ouviram os rumores sobre as difíceis condições de vida na região do rio Madeira, devida a incessantes epidemias e ao esquema rígido de controle disciplinar e submissão dos trabalhadores. Visando aproximar as regiões produtoras de látex, em pleno auge do ciclo da borracha no Brasil, o projeto da ferrovia atendia também aos desejos das autoridades preocupadas com ocupações da Amazônia. Durante sua construção, estima-se que o número de mortes tenha chegado de 8 a 10 mil. 
E, apesar dos esforços e mortes, quando a ferrovia ficou pronta, em 1912, o Brasil havia ficado para trás no mercado mundial da borracha, que teve seu preço em queda. Com investimento direcionado para a rodovia Cuiabá-Porto Velho, inaugurada em 1960, a Madeira Mamoré foi sofrendo um processo de abandono e sucateamento, sendo completamente desativada em 1966, juntamente com seus arquivos e imagens fotográficas.




O americano Dana Merril registrou em fotografias toda a história da construção da Madeira Mamoré. As  imagens mais documentadas por ele foi o cotidiano dos trabalhadores da ferrovia entre 1909 e 1912. Nas fotos, obras em trecho da ferrovia com betoneiras movidas a vapor, trabalhador em acampamento e autoridades em visita a um trecho concluído.  
Veja mais acessando: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço pelo seu comentário!