sábado, 21 de maio de 2011

A trajetória de um poeta-educador

                                                  
Dono de um estilo repleto de lirismo em seus poemas épicos, o poeta Filgueiras Lima marcou o tempo que viveu - 1909 a 1965 - enternecendo o coração do povo, cujos sentimentos e vozes procurou traduzir, principalmente nos poemas de base telúrica, transformando o Ceará no grande personagem de suas criações e pela extensa atuação como educador, cujo trabalho permanece até hoje.

 Nasceu o poeta em Larvas da Mangabeira/Ce, aos 21 de maio de 1909, numa casa situada na margem esquerda do rio Salgado, lugar de onde se permitia assistir a ondulação das águas revoltas da infância a lhe beijar os pés, a tocar os recessos profundos do seu coração, a ungir a sua vocação de menino-poeta, uma das mais altas e nobres que a literatura do Ceará conheceu.

Filgueiras Lima era colaborador constante de jornais, publicando artigos e poemas, além de frequentar a Casa de Juvenal Galeno, local onde realizou várias conferências e discursos para a intelectualidade e artistas locais, também partícipes daqueles saraus de sapiência.

Por muitas vezes , a obra poética de Filgueiras Lima reflete a angústia de sua época, marcadamente a Segunda Grande Guerra Mundial. Poemas marcantes, que inclusive publicados fora do Brasil, como 'Natal de Sangue', que registrava a resistência da cidade russa de Leningrado, onde os soviéticos combateram heroicamente os soldados nazistas alemães durante a guerra.

A trajetória do educador-poeta impressiona pela precocidade e integridade na conduta, o que cedo lhe rendeu o respeito da sociedade cearense e brasileira. Aos 18 anos já havia sido nomeado Inspetor Regional Interino de Ensino e aos 23, Delegado Regional de Ensino, cargos importantes. Naquele mesmo ano, em 1932, Filgueirasiras Lima publica seu primeiro livro de poesias "Festa de Ritmos". Bacharela-se em Direito em 1932 e funda, em 1938, com Paulo Sarasate, o Instituto Lourenço Filho, hoje em funcionamento, como Colégio Lourenço Filho, tendo surgido em seguida a Faculdade Lourenço Filho. No ano 1944 lança "Ritmo Essencial", o segundo livro de poesias. Dois anos depois assumiu a Secretaria de Educação e Saúde do Estado. Ingressou na Academia de Letras no dia 15 de agosto de 1951, tendo ocupado a cadeira 21.

O terceiro livro viria em 1956, "Terra de Luz", onde revelava-se, por inteiro, como alma sentimental do Ceará, segundo os intelectuais da época. 

Em 1965, lança o quarto e derradeiro volume: "O Mágico e o Tempo", "seu apogeu poético". Falece dois meses depois, em 28 de agosto de 1965, no auge de sua intelectualidade aos 56 anos, mas permanece vivo como um dos maiores exemplos de dedicação pelo ideal da educação e por sua poesia épica marcante para todos nós cearenses.

- Ruínas da casa onde nasceu o poeta Filgueiras Lima -


Fonte: Jornal Diário do Nordeste


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço pelo seu comentário!